top of page
Buscar
  • Foto do escritorLeticia Capuruco

O Peso do Ouro



Esses dias foi provocada por um amigo a assistir um documentário chamado “O Peso do Ouro” .

O objetivo desse documentário é simples e nobre: lembrar a todos que já assistiram às Olimpíadas que os atletas competidores são, apesar de sua força aparentemente inatingível, seres humanos.


Narrado e produzido pela lenda olímpica Michael Phelps, o documentário da HBO Sports detalha o extraordinário esforço e dedicação necessários para alguém chegar às Olimpíadas. Ele recruta atletas olímpicos para detalhar suas vidas dentro e fora dos Jogos com uma franqueza sem precedentes. Ao discutir abertamente a pressão e a deflação únicas que definem o ciclo da vida de um atleta olímpico, cada testemunho ajuda a humanizar uma experiência que, para muitos sentados em casa, parece mais uma fantasia da Disney .


No final do documentário eu mandei uma mensagem pra ele com a única coisa que conseguia sentir : “que porrada!”


O documentário é obrigatório para qualquer atleta que busca estar em uma olimpíada e para qualquer atleta que já atingiu o auge no seus esportes. O que acontece depois que as Olimpíadas acabam? Como você reage quando um atleta mais jovem toma seu lugar e de repente você é esquecido?


Este importante documentário vai fundo para examinar os efeitos de sacrificar décadas de sua vida para um foco central como atleta esquecendo por vezes família, amigos e relacionamentos significativos para manter a condição física máxima. Essas estrelas do esporte mundialmente famosas muitas vezes lutam com a fama e descobrem que não tiveram a chance de desenvolver um verdadeiro senso de identidade.


“O Peso do Ouro” vai para alguns lugares desconfortáveis ​​– discutindo depressão e pensamentos suicidas, mostrando atletas que tiraram suas vidas. Ele pega a percepção geral desses heróis esportivos impenetráveis ​​e a vira de cabeça para baixo. Como atletas que alcançaram tamanha grandeza podem também alcançar tamanha profundidade de angustia?


Segundo os atletas entrevistados , uma vez que as chamas se apagam nas Olimpíadas, o tapete é puxado debaixo de você. Se não conseguiu o ouro as pessoas não tem mais interesse em você. , você não tem mais patrocínios ou atenção da mídia. De repente, o papel de atleta olímpico é substituído por um vazio emocional profundo e negro que os atletas não podem substituir facilmente. E, porque nós (e a mídia e o público) os veem como titãs invulneráveis, eles não podem, ou não sabem, pedir ajuda.



Os distúrbios de saúde mental parecem contrários a tudo o que a sociedade nos diz sobre atletas extraordinários. O Peso do Ouro existe para nos lembrar do custo humano da competição esportiva de classe mundial.


O que está claro é que há uma grande e urgente necessidade de um plano abrangente para ajudar os atletas olímpicos - passados, presentes e futuros.

“Tudo bem não estar bem”, diz Phelps para fechar o documento.

É uma mensagem importante para internalizar, seja você um atleta olímpico ou não – o estigma em torno de problemas de saúde mental persiste no mundo, independentemente de suas proezas atléticas.

Quanto mais podemos desestigmatizar a procura de ajuda, mais pessoas podem ser salvas.

64 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page